La Usborne Publishing vince il premio Children’s Publisher of the Year 2020

Leia algumas reflexões do fundador e diretor executivo Peter Usborne sobre essa conquista em 2020.

Crio livros para crianças há mais de cinquenta anos. Fundei a Usborne em 1973 para lançar títulos divertidos, cativantes, superilustrados, esperando que mudassem a vida das crianças. Considero meu trabalho uma honra e um privilégio e posso dizer que curti cada dia de minha carreira. Estou com quase 83 anos, mas todas as manhãs ainda anseio por ir ao trabalho – mesmo que sem sair de casa nestes últimos meses – a fim de criar livros que eduquem e entretenham pequenos leitores do mundo inteiro.

Estamos muito felizes pelo reconhecimento na categoria Editora Infantil do Ano, especialmente à luz das fortes concorrentes. Acreditamos que vivemos uma era de ouro da publicação infantil – setor da indústria que foi, por tanto tempo, injustamente considerado uma parte menos importante do mercado livreiro.

Dedico esse prêmio a minha incrível equipe, formada por profissionais que trabalham comigo por anos e anos. Sou extremamente grato pelo empenho e pela dedicação deles.

Estes últimos meses foram um tanto quanto fora do comum. Por causa da pandemia global, muitos estão trabalhado em casa, e diversas livrarias estão fechadas. Além disso, assistimos aos protestos do black lives matter (vidas negras importam) em resposta à morte de George Floyd, em Minneapolis. Esses protestos são, para mim, os mais significativos de minha vida e servem de alerta para a indústria, inclusive para nós, da Usborne. Eles escancaram as injustiças e as desigualdades enfrentadas pelos negros em todo o mundo e evidenciam que todos nós temos de nos comprometer a mudar.


Peter Usborne, fundador e diretor executivo da Editora Usborne

Um ano incrível para uma editora impressionante. Júri do British Book Awards

Então, o clima comemorativo conta com um quê de reflexivo. Como organização, temos ouvido, aprendido, e estamos trabalhando para entender o que é esperado de nós. Meu lema sempre foi “fazer o melhor”. E, com certeza, em termos injustiças raciais, o mundo todo deve melhorar. Nós estamos comprometidos com essa causa.

Para isso, estamos analisando todas as áreas de nosso negócio: de recrutamento, treinamento, trabalho com as escolas e outros esforços de divulgação, aos livros em si. Trata-se de uma questão urgente, e devemos agir prontamente, garantindo que os resultados sejam eficazes. Estamos comprometidos em longo prazo com essa mudança. Como editores de livros infantis, ocupamos uma posição de influência e devemos fazer bom uso desse privilégio.

O que permanece uma constante em meus cinquenta anos de publicação infantil é minha certeza de que as crianças são surpreendentes. A capacidade que elas têm de descobrir coisas novas, aprender e crescer é fenomenal. Sempre insisti para que os livros da Usborne não menosprezem a inteligência de seus jovens leitores – e quero criar publicações que estimulem as crianças a questionar o que há ao redor, as injustiças, as diferenças e a aceitação. Aprender constantemente, evoluir e ser justo são as melhores qualidades que podemos demonstrar às novas gerações.

Tudo isso me leva a um clichê: as crianças são o futuro. E, para alcançar seu potencial, elas precisam de livros infantis brilhantes. Editar produtos tão fundamentais é uma tremenda responsabilidade, a qual levo muito a sério.

Assim, embora estejamos muito animados com a nomeação do British Book Awards, o mais importante é o que devemos fazer daqui para frente: garantir que cada um dos livros reflita nosso mundo em toda a sua diversidade, dando às crianças a capacidade de mudarem a realidade.






Comentários do júri

Além das publicações, os jurados ficaram impressionados com a missão e a ética da Usborne como empresa. Principalmente em relação ao cuidado com os funcionários, incluindo salários generosos, vantagens, licenças e plano de carreira – o que acaba resultando em poucas pessoas deixando a empresa. Outros aspectos elogiados foram a Usborne Academy – que fornece oportunidade de experiência para gente de diversas origens com uma semana de estágio totalmente patrocinada pela empresa, sem custos aos participantes – e a Fundação Usborne – que apoia projetos vitais de alfabetização.